Penso nos diferentes significados que eu trago quando falo a palavra tempo.

Tempo urgência, dar tempo ao tempo, o transcurso do tempo, naquele tempo, quanto tempo, que tempos são estes.

Percorri meu diário, meu caderno de processos criativos, e percebi quantos textos sobre tempo.

Entendi algo ali, embora eu não saiba explicar exatamente.

Pensei que uma fala recorrente minha era sobre não ter tempo pra nada, viver cheia de coisas pra fazer, sem tempo.

Percebi que estou fazendo um álbum sobre tempo, e que ele não teve tempo de esperar, atravessou o processo do próximo disco – que está pronto e esperando seu tempo de ser lançado.

O já previsto e à espera é Semente, terceira parte de PeleOsso, e o atravessador se chama Luna e vai vir este mês, começo amanhã com teasers de cada música, uma por dia.

Mas como a vida não é linear, este projeto vem junto com outro que estou gestando há algum tempo, das cartas de orientações/sugestões criativas diárias que chamei de Cartas do Deserto, e logo vão estar disponíveis no meu site.

Pra colocar nossa criação em movimento, no tempo.