textos de outros tempos, do sul antigo em outros hemisférios

“Ela sempre se movia calada.
Gestando em silêncio o sonho concebido, com uma especial nostalgia na alma.
Chorando, se preciso, somente ao fim das tardes.
Calada e altiva, os olhos tristes contrastando com a luminosidade do sorriso que às vezes lhe rasgava a boca.
Uma alma antiga, certamente.
“Siempre he creído que tengo alma de abuela…”

(Isabel, em madrid, 1996)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *