sobre o tempo dos caranguejos

Um bilhete escrito à mão no armário da cozinha,

à lápis,

Uma letra de musica rascunhada, frente e verso.

Algumas palavras tachadas e substituídas por outras.

Leio e relembro a melodia da canção e penso que nunca gravei.

Penso se teria escrito em algum caderno, ou em um arquivo do computador

Ou só ali

Entre a lista de supermercado, a receita de bolo, a indicação de homeopatia

Tirar isto dali e guardar em outro lugar

Antes que eu esqueça dela (de novo, pensei)

Fico feliz de pelo menos não ter que dar conta de um desenvolvimento disto

Mas talvez tenha que fazer, um dia

(Melhor guardar)

Sim, assim que terminar o café eu guardo.

Podia escrever um texto sobre isto:

Sobre a efemeridade das coisas

Sobre os descaminhos da canção

Sobre o processo criativo misturado ao cotidiano.

(segue lá, a canção)

Vim escrever, guardo depois.

Não importa quantos meses demore.

Entre o tempo de maturação dos caranguejos e minha organização peculiar.

(guardei)

19 de março de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *