MULHERES IN VERSO

Um espetáculo onde a música, dança e a poesia dialogam trazendo canções e poesias de e sobre mulheres, proporcionando um outro olhar sobre as emoções cotidianas através da ampliação da percepção estética do público.

A partir de uma pesquisa sobre repertório musical e poesias, selecionamos canções e músicas que tratam de temas cotidianos e atuais, mas também universais: identidade, pertencimento, amor, cuidado, sedução, saudade.

Em meio à estes sentimentos, emerge um olhar sobre o feminino e seus contrapontos, entendendo as mulheres como portadoras de sentido sobre o mundo, onde conceitos se criam, se recriam e se transformam, e os olhares dos homens sobre estes universos.

Ao mesmo tempo, o espetáculo conduz o ouvinte a um passeio musical por tangos, milongas e canções, onde sul e centro da América se destaca como lugar de identidade, trazendo a visão de um outro Brasil: de fronteiras, de misturas, de trocas e identidades híbridas.

As obras pesquisadas para este espetáculo apresentam artistas significativos da America Latina, que retratam elementos importantes para a construção do seu imaginário, remetendo ao mesmo tempo à identidade deste lugar do mundo e à elementos universais.

Compõe o espetáculo poesias de Cecília Meireles e Adélia Prado e canções das compositoras Teresita Fernandez, Cuba (Lo feo); Maria Elena Walsh, Argentina (Como la cigarra e Serenata para la tierra de uno); Chabuca Granda, Peru (Fina estampa); Teresa Parodi, Argentina (Pedro Canoero), Violeta Parra, Chile (Volver a los 17), Déa Trancoso, Brasil (Castiça).

Além destas, canções dos compositores Silvio Rodriguez (Y Mariana, Oleo de Mujer con Sombrero), Fito Paez (Un vestido y un amor), Vítor Ramil (Foi no mês que vem – para Ana Ruth), Helio Ramirez (Maria, charqueadas e fronteiras) e tangos e milongas que falam sobre mulheres (Silueta Porteña, Oro y Plata, Malena, Chorra, Volver).

Este espetáculo abrange um público diverso e múltiplo, convidando o espectador à compartilhar de universos criativos, onde a fruição estética conduz à reflexão sobre o feminino e o universo cotidiano.

A concepção do espetáculo é de Isabel Nogueira, os arranjos para voz e violão foram elaborados por Pedro Di Azz, que também atua como cantor, ao lado de Isabel Nogueira, e a direção de palco e coreografias estão a cargo de Berê Fuhro Souto e seu Centro Contemporaneo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *