Encontro Nacional de Mulheres da MPB

Inédita no país, a iniciativa abre um importante espaço de debates, de trocas de vivências musicais e de experiências profissionais, analisando o mercado e a atual política cultural e tecendo considerações sobre a produção feminina na música popular.

Contemplando os espaços acadêmicos e os espaços culturais da cidade de Pelotas – o meio urbano e o rural -, a programação, descentralizada, pretende a aproximação entre eles, incluindo atividades em espaços alternativos como O Templo das Águas. Debates e Rodas de conversa , oficinas e wokshops terão espaço na UFPEL, além de  shows em diversos espaços da cidade.

Pelotas é um centro cultural que vem se destacando, no Rio Grande do Sul, por suas atividades musicais. No ano de seu bicentenário, este encontro traz ao município vozes importantes da cena cultural brasileira, atraindo olhares e ouvidos atentos para a arte e sensibilidade femininas em nossa cultura.

O Encontro Nacional de Mulheres da Música Popular Brasileira – Pelotas/RS  tem a proposta de se tornar um evento fixo no calendário da cidade e da música popular no Brasil.

Continue lendo “Encontro Nacional de Mulheres da MPB”

MULHERES IN VERSO

Um espetáculo onde a música, dança e a poesia dialogam trazendo canções e poesias de e sobre mulheres, proporcionando um outro olhar sobre as emoções cotidianas através da ampliação da percepção estética do público.

A partir de uma pesquisa sobre repertório musical e poesias, selecionamos canções e músicas que tratam de temas cotidianos e atuais, mas também universais: identidade, pertencimento, amor, cuidado, sedução, saudade.

Em meio à estes sentimentos, emerge um olhar sobre o feminino e seus contrapontos, entendendo as mulheres como portadoras de sentido sobre o mundo, onde conceitos se criam, se recriam e se transformam, e os olhares dos homens sobre estes universos.

Ao mesmo tempo, o espetáculo conduz o ouvinte a um passeio musical por tangos, milongas e canções, onde sul e centro da América se destaca como lugar de identidade, trazendo a visão de um outro Brasil: de fronteiras, de misturas, de trocas e identidades híbridas.

As obras pesquisadas para este espetáculo apresentam artistas significativos da America Latina, que retratam elementos importantes para a construção do seu imaginário, remetendo ao mesmo tempo à identidade deste lugar do mundo e à elementos universais.

Compõe o espetáculo poesias de Cecília Meireles e Adélia Prado e canções das compositoras Teresita Fernandez, Cuba (Lo feo); Maria Elena Walsh, Argentina (Como la cigarra e Serenata para la tierra de uno); Chabuca Granda, Peru (Fina estampa); Teresa Parodi, Argentina (Pedro Canoero), Violeta Parra, Chile (Volver a los 17), Déa Trancoso, Brasil (Castiça).

Além destas, canções dos compositores Silvio Rodriguez (Y Mariana, Oleo de Mujer con Sombrero), Fito Paez (Un vestido y un amor), Vítor Ramil (Foi no mês que vem – para Ana Ruth), Helio Ramirez (Maria, charqueadas e fronteiras) e tangos e milongas que falam sobre mulheres (Silueta Porteña, Oro y Plata, Malena, Chorra, Volver).

Este espetáculo abrange um público diverso e múltiplo, convidando o espectador à compartilhar de universos criativos, onde a fruição estética conduz à reflexão sobre o feminino e o universo cotidiano.

A concepção do espetáculo é de Isabel Nogueira, os arranjos para voz e violão foram elaborados por Pedro Di Azz, que também atua como cantor, ao lado de Isabel Nogueira, e a direção de palco e coreografias estão a cargo de Berê Fuhro Souto e seu Centro Contemporaneo.